Kesha – Die Young e a Glorificação da Morte

Kesha-Die-Young-Cover

O simbolismo Illuminati sem dúvidas tem ficado cada vez mais presente em nossa sociedade atual, aonde podemos concluir que um dos desejos da Elite é que todas essas coisas acabem por virar parte de uma cultura mundial, apesar de praticamente fazer parte da cultura norte-americana, onde vemos tais simbologias presentes desde a área musical até a área dos esportes, por exemplo. Tanto simbolismo explicito, por vezes, acabam só confirmando o agir das sociedades secretas sobre várias áreas da sociedade atual para os cidadãos que já compreendem o agir deles, no entanto, para as pessoas que estão completamente infectadas por essa cultura que está sendo posta de maneira forçada em todos os meios midiáticos, mais simbologias e alusões não passaram de pura jogada de marketing.
Uma das provas disso, é quando algum artista abusa ou é usado para abusar ainda mais de tantas referências a satanismo e controle mental, um dos argumentos a se ouvir e ler é algo parecido com: “essa conseguiu ser pior do que Lady Gaga”, onde não seria para menos, tendo em vista que os simbolismos ocultistas foram praticamente renascidos na cultura musical com a chegada da cantora. O uso de alguma simbologia, normalmente a referência ao simbolismo do Um Olho, é praticamente tido como um passaporte a ser aceito na indústria.
No entanto, é preciso lembrar que por diversas vezes, o uso oculto ou explicito demais de tantas referências a esses temas, por vezes colocam mensagens que vão além dos simbolismos apresentados. Tendo em vista isso, é como podemos compreender um pouco mais alguns dos significados presentes em ‘Die Young’, de Ke$ha.
Die Young

CapturarAlgumas das inúmeras referências ao simbolismo do Um Olho ao longo do vídeo

O novo vídeo de Kesha não deixa a desejar quando se trata de apresentar simbolismos ocultistas de todas as formas possíveis. Porém, o clipe vai um pouco mais além do que um simples culto de satanismo ou bruxaria, como provavelmente fica óbvio para os leigos no assunto ou até para fãs e pessoas que desconhecem todo o assunto. Na verdade, contém referência bem pesadas para um vídeo musical. No entanto, nos concentremos a entender o que ele apresenta.
Em um cenário (ao que parece) de uma cidade mexicana de interior, onde normalmente se tinha noticias de realizações de cultos ritualísticos de bruxaria e magia negra, que vemos até os dias de hoje sendo usados de forma clichê em vários tipos de filmes, Kesha chega sendo carregada e cultuada como uma princesa negra, como uma oferta a algum "deus" das profundezas, segundo a crença de algumas dessas religiões de mistérios.
O local, por exemplo, apresenta algumas referências "mínimas" para expor um culto de origem satânica, um enorme pentagrama pendurado em uma parte do local fazendo uma referência a um tipo de altar. O vídeo em si apresenta um culto ao sexo e a morte, o transformando em uma obra completa satânica, pois o satanismo ama e corteja a morte, todavia, 'Morrer Jovem' não está implícito somente a esse significado.
Em um de seus primeiros frames, o vídeo vomita uma imagem que lembra explicitamente ao símbolo da sociedade secreta Caveira e Ossos, famosa por ter em seu currículo vários presidentes norte-americanos, principalmente pertencentes a algumas das linhagens Illuminati. A Irmandade de Sociedade da Morte regularmente usam símbolos idênticos — caveiras, ossos do esqueleto, e um crânio com dois ossos cruzados abaixo dele, como você pode ver nas imagens abaixo:


Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_00.10_[2012.11.15_14.34.23]Símbolo que aparece em um dos frames do vídeo

skullbones_thumb3Um dos simbolismos representativos da Sociedade Caveira e Ossos

Os satanistas amam os símbolos da morte, como os esqueletos, caveiras, e caixões. Após a Segunda Guerra Mundial, diversos historiadores ficaram tão consternados com os campos de extermínio e o número imenso de vítimas, que procuraram determinar como o país de Martinho Lutero pôde se transformar no país de Adolf Hitler. Alguns deles concluíram que, quando uma sociedade começa a exibir símbolos da morte nas seções de Arte e Entretenimento dos jornais, essa sociedade secretamente já está matando pessoas inocentes, mas especialmente os indivíduos depreciados — os doentes terminais, idosos e os deficientes físicos. Se essa premissa for verdadeira pela maneira que vemos isso se espalhando até nas letras das canções, esse amor pelos símbolos da morte na literatura popular, devemos ver as evidências que estão matando cada vez mais pessoas inocentes.
Abaixo algumas das cenas dos inúmeros simbolismos de morte e satanismo presentes no vídeo:

Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_00.44_[2012.11.15_14.43.51]

Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_01.02_[2012.11.15_14.44.46]

No entanto, o vídeo traz um conceito ainda mais sombrio onde a referência a “morrer jovem” lembra muito o famoso ‘Clube dos 27’. O Clube dos 27 ou Para Sempre Clube 27,  é o nome dado ao grupo de estrelas altamente influentes que morreram com 27 anos de idade.  Há dezenas de artistas no Clube dos 27, porém, os mais notáveis são Jimi Hendrix, Janis Joplin, Jim Morrison e Kurt Cobain. A maioria dos seus membros viveram uma vida complicada e a causa de suas mortes está cercada por um véu de mistério. Estaria o vídeo de Kesha fazendo um enorme culto a esses mistérios que envolvem essa famoso clube? Reparemos em algumas citações da canção:
Jovens galãs, tomando doses de bebidas
Despindo-se das meias sujas
Música no último volume, esquentando
Beije-me, me dê tudo que você tem
Está bem óbvio que você está apaixonado
Essa mágica nas suas calças está me fazendo corar
Estes conceitos envolvendo ocultismo e sacrifícios provavelmente soarão totalmente ridículos para a maioria das pessoas, mas, aos iniciantes do ocultismo, a potencialidade mágica de um sacrifício humano tem sido reconhecida e documentada em rituais de muitas das civilizações antigas. Em Secret Societies and Psychological Warfare,( em português livre, Sociedades Secretas e a Guerra Psicológica) o autor Michael A. Hoffman II escreveu:
“A questão envolvendo o controle da humanidade através de palavras esotéricas e símbolos codificados com um divertimento, um espetáculo de mídia ou um ritual, é uma das mais difíceis de serem compreendidas pelas pessoas. É por isso que a maioria das pessoas são vistas com total desprezo pelos os iniciantes das sociedades secretas e são rotuladas, como “cowans (bisbilhoteiros que não possuem o conhecimento real)”, “profanos”, “gentios” e “Goyim (aquele que não é um Judeu verdadeiro)”.
Em uma das cenas vemos Kesha e seus dançarinos se divertindo em meio a bebedeira, brincadeiras sexuais e jogos de azar. No entanto, o que parece ser um simples jogo de cartas, não é exatamente isso. O jogo de cartas é vindo do Tarô, que contém significados espirituais e mágicos para os praticantes do ocultismo. Repare na carta que que a cantora segura:
Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_01.31_[2012.11.15_14.45.28]Kesha segura uma carta de Tarô chamada: O Diabo
Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_01.31_[2012.11.15_14.45.28] - CópiaUma imagem ampliada da cena
Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_01.34_[2012.11.15_14.45.49]Ela chega até a pendurar a carta em sua testa, reforçando o conceito de que ela se trata de uma oferenda

t-devil_thumb[2]A carta

O uso desse carta envolvendo a própria cantora e a referência a esse clube de artistas que morreram como forma de sacrifícios nos coloca um significado extremamente simbólico, principalmente a carreira da Kesha, nos dando uma dica de que talvez isso não seja puro controle mental sobre ela.
O simbolismo do diabo e de suas artimanhas para envolver o ser humano é claramente visível através das cartas do tarô. A pedra cúbica preta é um dos ícones de Saturno que, na Astrologia, rege as pedras negras. Em muitas versões das cartas, o diabo senta sobre uma pedra negra quadrangular ou uma representação do globo terrestre, demonstrando o seu poder sobre a matéria e a sua autoridade sobre os destinos deste mundo. As figuras masculina e feminina não estão realmente presas nessas pedras. Geralmente, as correntes ou cordas se mostram frouxas e as figuras não demonstram resistência. O que as prende são os próprios desejos, como faz um macaco que coloca a mão na cumbuca com enorme facilidade, mas quando cerra o punho para retirar o objeto desejado, prende-o por não largar o fruto pelo qual está obcecado... Jesus ensinava o desapego justamente por isso e as teologias da prosperidade de hoje em dia são cumbucas de um mesmo tipo de armadilha.
Poderíamos ter em mente de que ainda existam pessoas que estejam completamente dispostas a entregar suas vidas a este ponto, apenas para terem sucesso? Não é de se duvidar.

Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_01.41_[2012.11.15_14.46.05]Nessa cena uma dançarina se mexe dentro de um circulo, enquanto o vídeo coloca um simbolismo ritualístico por cima da mulher, revelando algum tipo de evocação demoníaca

O simbolismos acima se trata de uma representação praticamente idêntica ao Selo de Babalon:

SigillumSanctumFraternitatisAASigilo de Babalon

Babalon ou A Grande Prostitua da Babilônia representa um conceito feminino de liberdade sexual, ação e poder da mulher, oprimida no Æon de Osíris e soberana no de Ísis segundos os conceitos Thelêmicos. Babalon em enoquiano significa "perversa", e "prostituta" é "babalond".
O videoclipe de Kesha traz justamente referências simbólicas as obras de um dos maiores e horríveis satanistas da história da humanidade, Aleister Crowley. Toda a questão sexual e morte está extremamente envolvida aos conceitos do satanismo. Essa relação da mulher e sexo, é melhor explicada em "Comentários de Al", por Crowley:
"Leis contra o adultério são baseadas sobre a idéia de que a mulher é uma propriedade, de forma que copular com uma mulher casada é privar o marido dos serviços dela. É a mais franca e mais crassa asserção do estado de escravidão. Para nós toda mulher é uma estrela. Ela tem, portanto, o direito absoluto de viajar em sua própria órbita. Não há motivo por que ela não deva ser dona de casa ideal, se por chance está for a vontade dela. Mas a sociedade não tem direito algum de insistir em estabelecer isso como padrão.
Deve ser bem notado que as Grandes Mulheres da História tem sido completamente livres em sua vida amorosa. Safo, Semíramis, Messalina, Cleópatra, Tai chi, Parsifa, Clitemnestra, Helena de Tróia, e em termos mais recentes Joanna D`arc ( de acordo com Shakespeare), Catarina a Grande da Rússia, Rainha Elisabeth I da Inglaterra, Georges Sand. Contra estas podemos colocar Emily Bronte, cuja supressão sexual era devida a seu meio e assim explodiu na incrível violência de sua arte, além das mais místicas religiosas regulares, Santa Tereza e assim por diante, os fatos de cuja vida sexual foram cuidadosamente camuflados para servir aos interesses dos deuses - escravos. Mas apesar disto, a vida sexual delas era intensa, pois os escritos dessas mulheres estão sobrecarregados de expressões sexuais apaixonadas e pervertidas, mesmo ao ponto de morbidez e alucinação.
Sexo é a principal expressão da natureza de uma pessoa; grandes Naturezas são sexualmente fortes; e a saúde de qualquer pessoa dependerá da liberdade daquela função.
(...) Babalon em grego é 'Mapie', Maria. Mas ela não é só a Virgem Imaculada, a Mulher Vestida com o Sol; também é a Grande Prostituta, a mulher que se embriaga com o sangue dos santos. Ela a natureza, eternamente inviolada, a Isis Velada; e ela é a Natureza, freneticamente copulando com todas as suas criaturas, desavergonhada e abertamente. Se uma concepção não estiver unida a outra, o homem não compreenderá jamais a natureza de uma mulher. A mulher, por mais ordinária que seja, sempre é virgem para o seu amor até que ele a possui - então ela se torna esposa, amante e talvez mãe; mas quando este amor acabar e outro vier - ela será virgem para o outro novamente. Esta virgindade é íntima - não dependendo de um pedaço de pele. Há mulheres de cabaço que são mais impuras - no sentido de uma falsa castidade - que qualquer prostituta que ganhe honestamente sua vida procurando dar satisfação conscienciosa aos homens que a pagam."
O Selo da A.·.A.·. é o Selo de Babalon:
"Este foi um nome que ela escolheu enquanto meio ébria, como um plágio da lenda teosófica, mas contendo muitas das nossas letras-números-chaves dos Mistérios; também, o número de pétalas do mais sagrado lótus. Sua soma é 1001, que é também Sete vezes Onze vezes Treze, uma série de fatores que pode ser lida como: o Amor da Mulher Escarlate pela Magia produz Unidade, em hebraico Achad. Pois 7 é o número de Vênus, e o Nome secreto de sete letras de minha concubina BABALON é escrito com Sete Setes, assim:
77 + 7 +7/7 + 77 = 156, o número de BABALON."
Em ‘Die Young’, Kesha é então colocada como uma oferenda demoníaca a ser depois transformada em um tipo de “deusa negra” a ser cultuada. Não seria para menos, quem em uma das cenas, ela aparece vestida sensualmente de branco, como um sacrifício imaculado:

Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_02.04_[2012.11.15_14.48.20]A roupagem branca faz referência a pureza, onde até a aparição de vários lobos tendo um tipo de relação sexual que se entrelaça com os envolvimentos de outros dançarinos fazendo movimentos entre si parecidos, acabam por remeter a um sacrifício

O enorme pentagrama em forma de altar pelo qual a cantora dança a maior parte do vídeo traz em sua simbologia referência a Vênus. Originalmente símbolo da deusa romana Vênus, onde foi associado a diversas divindades e cultuado por diversas culturas. O símbolo é encontrado na natureza, como a forma que o planeta Vênus faz durante a aparente retroação de sua órbita. Trata-se de um dos símbolos pagãos mais utilizados na magia cerimonial pois representa os quatro elementos (água, terra, fogo e ar) coordenados pelo espírito, sendo considerado um talismã muito eficiente.
Segundo o conceito do vídeo, Kesha estaria no estágio final da mulher no ocultismo. Em um trecho do livro 777 de Aleister Crowley, temos uma explicação do envolvimento da mulher e de alguns dos simbolismos apresentados no vídeo:
"O caso de Vênus é um excelente exemplo (nota: o símbolo de Vênus é o único símbolo planetário que representa todas as dez sephiroth ). Vênus é astrologicamente usada como um termo sintético dos aspectos femininos da Divindade. Possui muitas representações: Vesta, Ceres, CIbele, Ísis, etc. A principal distinção a ser feita é relativa a Lua; e o mais difícil nisso tudo, é que os símbolos sempre se sobrepõe. É através da harmonização e transcendência de tais barreiras que o estudante alcança a concepção metafísica do que é perfeitamente positivo e lúcido por um lado e por outro liberto das Leis da Contradição. Lua = Gimel = 3. Trivia é um dos nomes de Diana.
A vida da mulher é dividida em três fases: antes, durante e depois do período da menstruação. (1) a Virgem, (2) a Esposa e Mãe, (3) a Bruxa. Na (3) a mulher não pode mais realizar a sua função natural, tornando-se então a maldade do desespero. Daí a associação com Bruxa ou Feiticeira. (1) é representada por Diana, a caçadora virgem (lendas de Atalanta, Pan, Actaeon, Endymion, Persephone, etc) Hebe, Pallas Atena, Pythia e Sybils, etc. A função da virgem é inspiradora. (2) é relacionada com Vênus, Ceres, Cibele, Kwannon, Sekhet, Hathor, Kali, Aphrodite, Astarte, Ashtoreth, Artemis do Ephesians e muitas outras deidades femininas. (3) é um símbolo maligno. Hecate e Nahema são as principais representantes do conceito.
Perceba que existem certos demônios da natureza de Venus Aversa, símbolo do mal nascido da distorsão ou supressão deste princípio. São eles Echidna, Lilith, a enfurecida Afrodite de Hipólito, a Vênus de Hörsel em Tannhäuser, Melusina, Lamia, alguns aspectos de Kali, Kundry, o lado malicioso da Rainha Mab e a natureza geral da Fada.

Conclusão

Em uma das cenas finais do vídeo, vemos alguns frames, onde dentre eles, um simbolismos alternativo ao famosos símbolo Illuminati do Um Olho dentro da pirâmide com as luzes saindo de dentro do olho:

Capturar2Você precisa de algo mais óbvio?

Um dos pontos mais interessantes no entanto, se trata realmente da última cena do vídeo. Apesar de todo o vídeo trazer um certo tipo de culto aos sacrifícios feitos pela Elite que controla a indústria do entretenimento, revelar a forma como certos artistas se entregam espiritualmente para obter sucesso e colocar Kesha como uma representação de oferenda demoníaca a ser transformada em um tipo de deusa das profundezas, sua última cena é no mínimo intrigante.
Há bastante tempo é alertado através de várias pessoas e obras literárias de pessoas que se envolveram a fundo com o satanismo, que além é claro, de agências como CIA e FBI já serem conhecidas abertamente por terem apoiado ao longo dos anos projetos horrendos, como por exemplo, controlar mentalmente cobaias humanas através do Projeto MK Ultra, que tinha profundo envolvimento com satanismo, o uso da Policia Federal/Estadual/Municipal como apoio para acobertar rituais satânicos ao longo do planeta, sendo isso consequência de membros de tais seitas e sociedades secretas, trabalharem dentro delas.
Seria por isso que Kesha faz um sinal com as mãos de superioridade quando aparece em frente aos policiais ou seria apenas um erro de coreografia? As vezes as coisas vão muito além do que uma simples coincidência.

Ke$ha - Die Young.mp4_snapshot_03.30_[2012.11.15_15.47.13]Kesha em frente aos policiais

Veja também: Kesha, X-Factor Australia e o Simbolismo Illuminati Jogado na cara do Espectador
Amy Winehouse e o Clube dos 27 (Os Escravos Descartáveis)
"Matéria Encomendada" Sobre a Sociedade Caveira e Ossos Faz Revelações Significativas
Hollywood e Seu Trabalho de Desinformação Sobre as Sociedade Secretas
Aleister Crowley e o Mundo Atual: Seu Legado e Seus Laços com a Elite
Análise de ‘Turn Me On’ - David Guetta